Efetivos e Baixas

Efetivos mobilizados da metrópole para Moçambique

 

1ª Expedição
1914 
2ª Expedição
1915 
3ª Expedição
1916 
4ª Expedição
e reforços
1917 
Total 
 1489 2558 5836  8600   18.483

O Batalhão da Marinha era de 600 homens.

 

MILITARES EM UNIDADES INDIGENAS :

 

Unidades IndigenasTotal
30 companhias indigenas
6 baterias de metralhadoras
2 baterias de artilharia
1 companhia da GNR

12.500
( Inclui 650 militares europeus: 350 oficiais e 300 sargentos e cabos)

BAIXAS

Baixas em Moçambique e em Angola 1914-1918

 MortosFeridos
MoçambiqueAngolaMoçambiqueAngola
 Oficiais  25  28  11  8
 Sarg e Praças Europeias  1982  708  84  108
 Praças Indigenas  297  68  1489  567
 Auxiliares/Carregadores  2507  6  Desc  Desc.

Quase 90 % dos militares europeus mortos em Àfrica, pertenciam às unidades de infantaria e de artilharia, aquelas que enquadravam a maior parte dos combatentes. Do total de militares europeus mortos em África cerca de 75 % eram militares de Infantaria mobilizados pelos regimentos de Infantaria da metrópole e entre estes destacam-se os mortos em Moçambique mobilizados em 1917 pelo Regimento de Infantaria n.º 31 do Porto (427 mortos), Regimento de Infantaria n.º 29 de Braga (302 mortos) e do Regimento de Infantaria n.º 23 de Coimbra (223 mortos) mobilizados em 1916. Os artilheiros mortos representam 11%  a 12% dos mortos em Àfrica.

Os mortos da Infantaria foram 83 % em Moçambique e 17 % em Angola, sendo que em Moçambique foi em 1917 e em 1918 que se verificou a maior quantidade de mortos e em Angola foi em 1914 e 1915, verificando-se que nestas baixas em África mais de 90 % foram devido a doenças, pois os mortos em combate não chegam a 10 % do total. Apesar do período de tempo em operações e dos efetivos empenhados terem sido superiores em Moçambique, a maior parte dos mortos em combate foram registados em Angola, enquanto que as mortes por doença foram mais em Moçambique (75 %) do que em Angola (25 %).

 

Quantidade de Sargentos e Praças mortos em Angola e em Moçambique pelos Regimentos de Infantaria a que pertenciam.

 

 Mortos
RegimentosAngolaMoçambique
 Reg. Inf.ª 1
(Lisboa)
 -  2
  Reg. Inf.ª 2
(Lisboa)
 -  5
  Reg. Inf.ª 3
(Viana Castelo)
 -  3
  Reg. Inf.ª 4
(Tavira)
 -  7
  Reg. Inf.ª 5
(Lisboa)
 -  3
  Reg. Inf.ª 6
(Porto)
 -  4
  Reg. Inf.ª 7
(Leiria)
 -  1
  Reg. Inf.ª 8
(Braga)
1  3
  Reg. Inf.ª 9
(Lamego)
 -  -
  Reg. Inf.ª 10
(Bragança)
 -  2
  Reg. Inf.ª 11
(Setúbal)
 -  4
  Reg. Inf.ª 12
(Guarda)
 -  -
  Reg. Inf.ª 13
(Vial Real)
 -  2
  Reg. Inf.ª 14
(Viseu)
 105  -
  Reg. Inf.ª 15
(Tomar)
 -  13
  Reg. Inf.ª 16
(Lisboa)
 16  2
  Reg. Inf.ª 17
(Beja)
 41  3
  Reg. Inf.ª 18
(Porto)
 18  8
  Reg. Inf.ª 19
(Chaves)
 34  1
  Reg. Inf.ª 20
(Guimarães)
 50  1
  Reg. Inf.ª 21
(Covilhã)
 -  95
  Reg. Inf.ª 22
(Portalegre)
 4  1(Cabo Verde)
  Reg. Inf.ª 23
(Coimbra)
 11

223 e 1(Cabo Verde)

  Reg. Inf.ª 24
(Aveiro)
 23  160 e 1(Cabo Verde)
  Reg. Inf.ª 28
(Fig. da Foz)
 -  158
  Reg. Inf.ª 29
(Braga)
 -  302 e 1(Cabo Verde)
  Reg. Inf.ª 30
(Bragança)
 -  174
  Reg. Inf.ª 31
(Porto)
 -  427
  Reg. Inf.ª 32
(Penafiel)
 18  5
  Reg. Inf.ª 33
(Lagos)
 -  6
  Reg. Inf.ª 34
(Guarda)
 -  1
  Reg. Inf.ª 35
(Coimbra)
 -  5

 

Quantidade de Sargentos e Praças mortos em Angola e em Moçambique dos Grupos de Metralhadoras a que pertenciam

 

 Mortos
Grupos de
Metralhadoras
AngolaMoçambique
Grupo Metralhadoras 1
(Lisboa)
 3  20
 Grupo Metralhadoras 2
(Guarda)
 2  1
  Grupo Metralhadoras 3
(Porto)
 4  16
  Grupo Metralhadoras 4
(Estremoz)
 2  12
  Grupo Metralhadoras 5
(Coimbra)
 2  3
  Grupo Metralhadoras 6
(Bragança)
 -  5
  Grupo Metralhadoras 7
(Castelo Branco)
 1  5
  Grupo Metralhadoras 8
(Valença)
 -  24

Artilharia

As unidades de artilharia sofreram mais mortos em África (mais de 320 mortos) do que em França (232 mortos) mas enquanto em África a maior parte das baixas na artilharia foram causadas pelas doenças, em França registaram-se mais baixas em combate.
O Regimento de Artilharia de Montanha (Portalegre/Évora) foi a unidade de artilharia que mobilizou mais militares durante a guerra (1914-1918) tendo enviado para África 2693 homens (102 oficiais, 219 sargentos e 2642 praças) e foi também a unidade mobilizadora que sofreu mais mortos, tendo registado 310 mortos ( 8 oficiais e 302 sarg. e praças). Do total de militares europeus mortos em África ( 2743) cerca de 11% eram militares mobilizados pelo Regimento de Artilharia de Montanha.

logo

Comissão Coordenadora da Evocação do Centenário da Grande Guerra

 
 
Imagens: Arquivo Histórico Militar (fundo AHM-FE- CAVE-AG)
Fotos de equipamentos Núcleo Museológico das OGFE e do Museu Militar.
 
Textos: O CEP: Os Militares Sacrificados Pela Má Politica, Fronteira do Caos, 2016. A Nossa Artilharia na Grande Guerra (1914-1918), Caleidoscópio,2017.
 
Autores: Coordenação de Pedro Marquês de Sousa. Apoio na preparação de artigos militares OGFE e Fotos: Jorge Baltazar Pinto e André Fernandes.

Room Booking

Thanks for staying with us! Please fill out the form below and our staff will be in contact with your shortly.